Impostos Apesar de ter Emigrado - O Que é e Como Evitar o Centro de Interesses Vitais

Ícone de Relógio
21 min
Publicado em:
22/12/2022
Última Atualização em:
26/1/23
Article Background Image
Article Background Image
Article Background Image
Temas Abordados Neste Artigo

O Que é o Centro de Interesses Vitais

A Settee já ajudou um número muito grande de pessoas distintas a sair do sistema nos últimos meses. Embora as considerações fiscais nem sempre desempenhem um papel - especialmente para as muitas famílias homeschoolers que atendemos – os clientes ficam felizes por poderem usufruir dos benefícios correspondentes de uma vida sem residência fiscal. 

Como regra, isto também é muito simples para esse grupo de clientes em particular. Para que seus filhos não sejam obrigados a frequentar a escola no seu país de origem, como o Brasil, eles têm que passar uma grande parte do ano fora do país de qualquer maneira. 

Mas e quanto a todos aqueles que são viajantes perpétuos sem endereço permanente? Eles podem estar sem registro e continuarem felizes com suas isenções de impostos - mas teoricamente, em algum momento, podem ter uma surpresa desagradável. 

Pelo menos se eles não tiverem muito cuidado para não serem enquadrados no conceito que não podemos enfatizar o suficiente em nossa consultoria: o centro de interesses vitais.

Não são apenas os sem residência que têm que ter cuidado aqui, mas geralmente todos que vivem fora do seu país de origem. Mesmo um status de residência permanente no exterior não é de certa forma garantia alguma de que o seu país não poderá insistir em seu direito de tributação sobre você.

Um status de residente permanente em outro país só é uma garantia se o centro de interesses vitais estiver no país de residência e, em caso de dúvida, ser comprovado por uma certidão fiscal.

O Centro de Interesses Vitais e responsabilidade fiscal

Centro de interesses vitais é definido de diferentes formas ao redor do mundo. Cada país tem suas próprias regras sobre o local de residência, que são semelhantes em muitos países, mas muitas vezes têm regras especiais. Em última análise:

  • O centro de interesses vitais é sinônimo de responsabilidade fiscal – ele enumera as condições a serem cumpridas que acionam o direito de um país tributar.
  • Na Alemanha, Áustria e Suíça, o centro de interesses vitais não é o único fator decisivo. Aqui, como em outros países do continente Europeu, existe um sistema organizado de registro, que é completamente desconhecido no Reino Unido, por exemplo.
  • Assim, aqueles que deixam seu país de residência anterior devem cancelar o registro para deixar o sistema do país de origem, incluindo não só todos os seus direitos, mas também as suas obrigações. Não fazer isso pode ser caro para alguns. 

Isto já foi a ruína de um capitão alemão navegando ao redor do mundo no passado. Ele esqueceu de cancelar o registro e depois de retornar 5 anos depois teve que pagar todos os impostos mais uma multa pesada.

A expectativa é que a saída do sistema leve à entrada no sistema de outro país. Entretanto, no máximo desde o advento da Internet, o conceito de nômade digital sem residência – na Settee também falamos de viajantes perpétuos - tornou-se uma alternativa viável.

Afinal de contas, é melhor ser um turista permanente do que um súdito do estado.

No entanto, a fim de poder aproveitar os inúmeros benefícios - como a isenção de impostos e nenhuma obrigação de seguridade social - a saída definitiva (no Brasil) ou o cancelamento do registro (nos países alemães) é apenas o primeiro passo necessário, mas não suficiente.

É muito mais importante evitar o centro de interesses vitais - não apenas no país de origem, mas em todos os outros países do mundo que se visita. Pelo menos enquanto você não quiser se estabelecer em algum lugar - ou se o centro de interesses vitais não tiver consequências negativas, como em um país livre de impostos.

Assim, é preciso distinguir entre um centro de interesses vitais positivos de um centro negativo. 

Aqueles que têm a possibilidade de proporcionar um centro de interesses vitais positivos têm maior segurança jurídica do que aqueles que não podem. Importante, mas não suficiente para isto, é a regra dos 183 dias.

Formas de Ativar um Centro de Interesses Vitais

O centro de interesses vitais através da estadia

A regra dos 183 dias é um dos vários fatores que não só determinam o centro de interesses vitais no Brasil e em Portugal, mas também em muitos países ao redor do mundo. 

A lógica coerente por trás disso é que se você ficar em um país por 183 dias - meio ano – você só pode ficar em outro país por no máximo 182 dias naquele ano. 

Como o cidadão não pode ter sido residente em outro país por mais de 183 dias no ano civil, o país sempre se garante o direito de tributação nestes casos.

Outros países, outros costumes - a regra dos 183 dias varia de país para país. Em alguns países, 180 dias já é suficiente. Países como os EUA conhecem o Teste de Presença Substancial, que inclui as estadias dos últimos 3 anos de acordo com uma fórmula. Como resultado, a obrigação tributária pode ser acionada após apenas 4 meses.

A França é ainda mais maldosa. Aqui, a pessoa é teoricamente responsável pelo pagamento do imposto se passou mais tempo no país dentro de um ano civil que em qualquer outro. Mesmo que tenham sido apenas 2 semanas – se você ficou menos de duas semanas em todos os outros países que passou, será tributado na França.

A Suíça também é uma grande exceção. Aqui, 3 meses de residência já levam ao centro de interesses vitais e, portanto, à obrigação fiscal na Suíça. O ganho de emprego em território suíço leva a isso mesmo após 30 dias.

Não é de se admirar que conflitos com outros países sobre o direito de tributação sejam inevitáveis com tais regulamentações. 

Esclarecer isto é uma questão para os acordos de não-bitributação, que abordamos em outro artigo. Para fins de não ter residência fiscal, porém, eles não têm relevância - afinal, os países não vão entrar em conflito pelo desejo de te deixar em paz, mas sim apenas pelo de tributá-lo.

Talvez você pense que é relativamente fácil viver livre de impostos com a regra dos 183 dias. É só poder viver em um país por um máximo de 182 dias e assim pode dizer adeus aos impostos. No entanto, não é tão simples assim. 

Tomemos o exemplo da Alemanha, um típico país de altos impostos que analisa cuidadosamente o centro de interesses vitais. Por exemplo, a lei na Alemanha estabelece que uma estadia de 2 meses de uma vez só já poderia desencadear um centro de interesses vitais. Ausências de cunho temporário não são levadas em conta.

Por exemplo, se você trabalha no exterior durante a semana, mas passa todos os fins de semana na Alemanha, você terá seu centro de interesses vitais na Alemanha.

Para que uma estadia no exterior seja mais do que temporária, pelo menos 3 semanas devem ser passadas lá, ou deve ser claramente reconhecível que não se trata de férias de curto prazo ou de uma viagem de negócios.

Qualquer pessoa que realmente queira ficar isento de impostos através do cancelamento do registro na Alemanha ou saída definitiva no Brasil também não deve mais viver e trabalhar no respectivo país, ou deve fazê-lo apenas de forma muito limitada. 

Por outro lado, é feita uma exceção na lei alemã para todas as estadias em território alemão que são realizadas com finalidades puramente de visita, tratamento médico, recuperação ou recreação. Aqui, tanto o regulamento de 183 dias quanto o de 2 meses não se aplicam mais - teoricamente, você pode ficar mais tempo sem problemas, mas deve ter uma prova válida do objetivo de sua estadia. 

Pelo menos as visitas ao lar para celebrações familiares, por exemplo:

  • Não causarão problemas de acordo com a lei. 
  • Entretanto, devido à arbitrariedade das autoridades, as visitas à própria família não devem ser exageradas 
  • Como o segundo fator essencial do centro de interesses vitais descritos.

Centro de interesses vitais através de uma moradia disponível

Muitas pessoas que cancelaram seu registro mesmo assim tiveram um centro de vida designado. Essas pessoas tinham cumprido com as regras de estadia, que de qualquer forma são difíceis de controlar, mas foram consideradas residentes fiscais novamente por outro fator essencial: uma moradia disponível.

A discussão muitas vezes volta à antiga estrela do tênis Boris Becker, que, com residência oficial em Mônaco, passou uma grande parte do ano com sua irmã em Munique.

O fato de que uma escova de dentes sua na pia do banheiro acabou levando ao centro de interesses vitais, levou a uma grande repercussão na mídia. - O fato, porém, é que Becker tinha acesso regular a um apartamento e, portanto, a suposição de um centro de interesses vitais foi certamente validada.

A lei alemã define que uma moradia permanentemente disponível pode levar a um centro de interesses vitais. Alguém tem sua residência "... onde ele ocupa um imóvel em circunstâncias que indicam que ele irá manter e usar o imóvel".  Assim, aluguéis de mais de 2 meses ou propriedades totalmente mobiliadas já podem levar a um centro de interesses vitais. 

O essencial é saber se há acesso a uma moradia por um período de tempo mais longo onde se pode passar a noite. Mesmo um colchão em um apartamento vazio pode se qualificar.

No entanto, qualquer pessoa que possua propriedades na Alemanha ou em outros países com regras semelhantes, como muitas na Europa, não tem necessariamente que vendê-las. 

Imagem de uma casa residencial padrão americano

Entretanto, para retirá-las de seu controle, devem ser alugadas a longo prazo, com contratos de pelo menos 6 meses. Se o apartamento estiver completamente vazio, deve pelo menos ser comprovável de forma crível que o apartamento está sendo ofertado para venda ou aluguel.

Isto pode ser comprovado através da contratação de um agente imobiliário ou através de anúncios na Internet ou em jornais. Deixar um apartamento completamente vazio, mas manter o poder de disposição (por exemplo, tendo a chave) pode significar complicações.

Em geral, o centro de interesses vitais foca no chamado poder da chave. Qualquer pessoa que possua permanentemente uma chave para uma moradia que possa usar de alguma forma pode ser interpretada como tendo um centro de interesses vitais.

É claro que o uso temporário de uma chave não é problemático - mas ela deve permanecer no local após cada estadia em vez de ser levada junto, mesmo que isso dificilmente possa ser controlado de forma eficaz.

Embora as visitas aos pais ou membros da família não sejam problemáticas para fins puramente de visita, deve-se ter cuidado se isso envolve trabalhar no país com clientes locais durante um período de tempo mais longo. Neste caso, se possível, você deve se hospedar em locais diferentes em hotéis diferentes.

Aqueles que querem passar a noite na casa dos pais podem fazê-lo, mas devem evitar deixar seu antigo quarto de infância, totalmente equipado, em condições que sugerem mais do que uma estadia temporária.

Certas roupas ou documentos podem ser armazenados sem mais delongas, mas não em uma sala própria que pode ser ocupada a qualquer momento. Aqueles que utilizam o quarto de hóspedes de membros da família devem certificar-se de que este também possa ser utilizado por outros hóspedes a qualquer momento.

Aqueles que preferem ficar em hotéis não estão de forma alguma imunes a um centro de interesses vitais. Se você sempre ficar no mesmo hotel no mesmo quarto por anos, muito provavelmente terá seu centro de interesses vitais lá. Reservas a longo prazo de um hotel também podem trazer problemas. 

Uma apresentadora de televisão com residência na Suíça foi, portanto, enquadrada como tendo um centro de interesses vitais pelo fato de ter reservado um quarto de hotel por vários meses a preços especiais, embora ela só ficasse lá 2-3 dias por semana para fins de gravação, enquanto ela passava a maior parte de seu tempo na Suíça. 

Se você estiver hospedado em um hotel, você deve mudar de hotel dentro de uma cidade se estiver hospedado por um período mais longo de tempo, a fim de evitar complicações. 

A propósito, o mesmo se aplica a trailers e motorhomes. Uma vaga fixa ou a mesma vaga de estacionamento deve ser evitada a longo prazo. 

De modo geral, pode ser problemático permanecer na mesma residência por um mesmo período de tempo durante vários anos, mesmo que se cumpra os requerimentos de estadia e moradia e essas estadias não sejam apenas para fins de visita.

Por exemplo, um casal, também residente na Suíça, foi enquadrado pelo fato de visitar regularmente sua terra natal alemã por 7 semanas durante as temporadas de caça na primavera e no outono. Assim:

  • Uma casa de férias é uma verdadeira armadilha fiscal, como outros casos também mostram, uma vez que implica em disponibilidade constante. Aqueles que desejam continuar a manter uma casa de férias na Alemanha devem claramente fazê-lo para fins de locação e tomar cuidado com presenças próprias.
  • Se você quiser ficar do lado seguro no fator moradia, você só deve ficar com a sua família para fins de visita, não quando visitar clientes. Também é aconselhável sublocar uma acomodação ou reservar através de portais como o AirBnB. 
  • Os hotéis hoje em dia são obrigados a registrar os dados pessoais de seus hóspedes e trocá-los imediatamente. Portanto, estadias mais longas na Europa não são impossíveis de rastrear de forma alguma. 

As severas penalidades de até 50.000 euros na Alemanha para os sub locadores contra inquilinos não declarados também têm o objetivo de desencorajar o aluguel não-oficial de apartamentos, como ainda acontece em muitos casos. Especialmente a opção de ir morar com um parceiro ainda é popular.

Centro de interesses vitais através da família

Mas a escolha de um parceiro também esconde suas armadilhas. Assim, a própria família também pode levar à manutenção do centro de interesses vitais em países como a Alemanha. 

O fator decisivo aqui é o casamento estatal, ou seja, o centro de interesses vitais só pode ser acionado por um cônjuge comum e/ou filhos menores na Alemanha. Os pais, irmãos ou parentes não entram no centro de interesses vitais.

No entanto, uma família casada não pode escapar da residência fiscal, por exemplo, pelo fato de o marido solteiro cancelar o seu registro enquanto a sua esposa ainda continua registrada na Alemanha. Aqueles que pensam que podem continuar recebendo bolsa família e outros benefícios sociais dessa forma, devem pensar duas vezes.

Imagem de casal formalizado pelo casamento

Crianças menores de idade também podem acionar um centro de interesses vitais, desde que você tenha a custódia exclusiva delas e elas vivam em sua própria casa. A única coisa que pode ajudar aqui é um internato.

Portanto, se você tem família, é melhor levá-los com você. Uma separação temporária puramente para este propósito de cancelamento de registro é inadmissível - um divórcio seria necessário para escapar da residência fiscal através do centro de interesses vitais. 

Qualquer pessoa que planeja se casar deve, portanto, estar ciente das possíveis restrições ou escolher alternativas sob o direito privado.

Centro de interesses vitais através de interesses pessoais

Este fator é notoriamente arbitrário e felizmente se aplica em menos países, como Alemanha e Austrália. Isso significa simplesmente que a vida social não deve ser limitada ao próprio país de origem. 

Se você só tem amigos em sua cidade natal, é um membro ativo de um clube ou demonstra engajamento local, você terá dificuldade em afastar a suspeita de que tem um local de residência.

Simples filiações não são algo problemático, mas se elas são filiações ativas, aconselha-se cautela. Você pode permanecer como membro passivo de seu clube de criadores de coelhos, mas não deve mostrar seus animais a cada dois fins de semana.

Portanto, se você só está interessado em economizar impostos, talvez seja melhor não cancelar o registro ou realizar a saída definitiva em seu país de origem. 

Para a maioria, porém muitos outros motivos desempenham um papel: por exemplo, escapar da mentalidade de seus conterrâneos, a falta de interesses em comum com as pessoas ao seu redor, ou num lado mais positivo, a vontade de conhecer novas culturas. Para esses não é difícil estabelecer contatos sociais novos no exterior.

O centro de interesses vitais devido a interesses pessoais é difícil de definir. De modo geral, você não vive mais no seu país. Você deve comunicar isto abertamente a seus amigos, conhecidos e clientes. Logo antes da saída, haveria uma grande festa de despedida e uma conversa séria sobre sua vida "melhor" no exterior.

Caso as autoridades consultem parentes, amigos ou clientes de sua empresa e ficar evidente que eles não sabem nada sobre a sua ida para o exterior, isto já pode se tornar uma situação desagradável para você.

Centro de interesses vitais através de interesses econômicos

Na Alemanha, ao contrário de outros países, não existe um centro de interesses vitais explícito devido a interesses econômicos

Os interesses econômicos na Alemanha já estão cobertos pela Lei de Responsabilidade Fiscal Limitada Estendida, a qual torna os rendimentos de alta renda sujeitos a impostos sobre tipos adicionais de renda do país, tais como rendimentos de juros, por até 10 anos além da responsabilidade fiscal limitada. 

Se você faz negócios exclusivamente no mercado alemão, pode fazê-lo a partir do exterior sem problemas, por exemplo:

  • Se você faturar clientes na Alemanha com uma empresa estrangeira.
  • Entretanto, assim que as visitas dos clientes ou inspeções no local forem agendadas, deve ser dada maior atenção ao cumprimento dos regulamentos sobre moradia e residência.

A situação é diferente na França ou Espanha, por exemplo. Se mais de 90% da renda empresarial provém puramente desses países, presume-se um interesse econômico que pode levar à residência fiscal com obrigações tributárias sobre a renda mundial

Por outro lado, a responsabilidade fiscal limitada estendida na Alemanha, mencionada anteriormente, se aplica apenas à renda doméstica.

O que não aciona um centro de interesses vitais

Por mais que você tenha que prestar atenção a muitas coisas - você pode se acalmar com alguns fatores potenciais. Uma conta privada que ficou aberta ou mesmo um endereço postal em seu país não é prova suficiente para um centro de interesses vitais. 

O uso do endereço postal dos pais para receber correspondência pode, portanto, ser feito sem problemas, desde que não se viva realmente lá. Caso contrário, é claro, pode haver visitas de inspeção por parte das autoridades competentes.

As contas bancárias também podem ser mantidas sem mais delongas. Elas não acionam nenhuma responsabilidade fiscal por si só através do centro de interesses vitais. 

O que você deve sim fazer é informar essas instituições da sua saída – especialmente importante no caso de pessoas com contas no Brasil. Os impostos retidos na fonte serão, no entanto, retidos automaticamente enquanto você não puder provar uma residência estrangeira em um país com acordo de não-bitributação

Contas bancárias só podem ser problemáticas se todo o seu patrimônio - e patrimônio aqui significa uma soma correspondente de no mínimo seis dígitos - tiver sido armazenado puramente nas contas do seu antigo país de residência

Aqueles que deixam tudo que tem no país de onde vieram podem ser enquadrados como tendo um centro de interesses vitais assim em um país como Alemanha.

Se os bancos vão ligar é outra questão. Em geral, os bancos alemães diretos não causam nenhum problema com os não-residentes alemães. No caso do Brasil, temos conhecimento de bancos que cancelaram contas assim que é realizada a saída definitiva, enquanto outros deixam o emigrante manter suas contas ativas como CDE.

Mesmo um cofre ou uma caixa de armazenamento para os pertences restantes não é uma indicação de um centro de interesses vitais na Alemanha, desde que estas instalações não sejam adequadas para a vida permanente.

Teoria e prática - o controle do centro de interesses vitais

Apesar de toda a teoria, deve ser dito claramente: o centro de interesses vitais dificilmente pode ser controlado na prática.

Enquanto o espaço Schengen estiver aberto, os perfis de movimento dentro dele são quase impossíveis de serem criados. O PNR – Passenger Name Record para voos é um primeiro passo, mas em grande parte inútil com as fronteiras terrestres abertas. Se você, que tem residência europeia, quiser ficar mais tempo em algum lugar, basta entrar e sair de Schengen pelo país vizinho.

No próprio país, os mecanismos de controle são limitados. Se você ficar em hospedagens oficiais, você pode ter certeza de que haverá alguma troca. Mas mesmo ali, a lista diária de ex-residentes radicados no exterior não é mantida - é muito mais destinada a encontrar infratores mais rapidamente. Aqueles que se hospedam em particular têm pouco a temer de qualquer forma.

Para a definição do centro de interesses vitais são levadas em conta as coisas realmente óbvias que, no entanto, são esquecidas justamente por conta disso.

Não é de se surpreender que celebridades que vivem oficialmente na Suíça e em Mônaco, mas que não oficialmente passam muito tempo na Alemanha, Espanha ou França sejam afetadas. 

Por um lado, um patrimônio mais elevado desempenha um papel - até uma certa faixa de renda, as autoridades fiscais simplesmente carecem de recursos e o controle é completamente ineficiente. Entretanto, quando se trata de vários milhões em impostos potenciais, a situação parece mudar de forma bem rápida.

Por outro lado, a proeminência é ainda mais decisiva. Com um Boris Becker que é perseguido diariamente por paparazzis, não é surpreendente que suas condições reais de vida se tornem rapidamente aparentes.

Deve ficar claro para muitos que tais celebridades são feitas de exemplo.

Para o cidadão comum, estes problemas não surgem. Qualquer pessoa que ganhe menos de cinco dígitos por mês é bastante desinteressante em termos de receita tributária em relação ao custo de uma investigação. Pois isto pode ser feito em alguns casos em que há dúvidas razoáveis sobre a residência estrangeira. 

Aqueles que não têm denunciantes em suas imediações não terão maiores dificuldades, apesar de ainda terem um apartamento disponível ou ficarem por longas estadias – por enquanto. Pois é de se esperar que as autoridades apertem as rédeas aqui em tempos de crescentes dificuldades financeiras.

Alguns nômades digitais sem residência que, no entanto, passam muito tempo em seus países de origem poderiam, em breve, estabelecer os primeiros precedentes.

Porque, no caso de um país como a Alemanha, que tem tantos enquadros, ainda não houve um caso de viajante perpétuo com um centro de interesses vitais alemão até agora. 

As razões para um centro de interesses vitais na jurisdição foram a falta de cancelamento do registro, acomodação disponível ou estadia longa em hotel - viajantes perpétuos que observam todos os fatores relevantes nunca foram enquadrados. 

Uma vez que não há nenhuma base legal para isso no momento, não é de se esperar que isso aconteça. Mas é claro que as leis podem ser alteradas e tornar o modelo dos residentes perpétuos mais difícil.

É essencial ser cauteloso com seus dados que vão a público. Se existe hoje uma suspeita do centro de interesses vitais, uma consulta das pessoas nas redes sociais como Facebook ou Instagram é um dos primeiros atos.

Se as fotos lá não mostram a praia no exterior, mas principalmente o ambiente local, se prepara que vem uma bronca.

No entanto, a coleta de dados também pode ter vantagens quando você realmente não está em seu país de origem. No Google Maps, você pode usar o perfil de movimento detalhado para rastrear com precisão que você não esteve secretamente em seu país de origem.

Outras provas úteis incluem carimbos de passaporte, reservas de hotéis e voos e, é claro, a famosa conta de serviços públicos no exterior.

Se você tem que apresentá-las é uma questão em aberto - como regra, não surgem mais perguntas quando você volta a ser residente, principalmente se você sempre foi empregado. 

Entretanto, se uma pessoa já esteve ativa a nível empresarial antes de realizar sua saída definitiva, o fisco pode eventualmente perguntar onde a pessoa pagou impostos durante sua ausência.

Se então ela não puder provar que não esteve secretamente no país durante esse tempo, isto poderia causar problemas.

Arbitrariedade no acionamento do centro de interesses vitais

A responsabilidade fiscal através do centro de interesses vitais é um tema complexo que só poderia ser abordado de forma introdutória neste artigo. O grande problema aqui é a interpretação relativamente arbitrária do termo, mesmo que as leis dos países tenham fatores claros. 

Imagem de uma régua medindo moedas

No entanto, a forma como estas são interpretadas em última instância é uma questão a ser decidida pelos tribunais. O centro de interesses vitais depende em grande parte do direito judicial e requer muito mais precedentes para poder fazer declarações com 100% de certeza.

Em geral, portanto, recomenda-se evitar o máximo possível o país de origem e apenas visitas curtas de familiares e amigos. 

O ideal, mas de nenhuma forma necessário, é procurar um campo de negócios fora do mercado do seu país de origem, ou pelo menos um que não dependa do contato presencial com o cliente local. Também aqui, as disposições do centro de interesses vitais em outros países devem ser levadas em conta.

Resta que o centro de interesses vitais é uma construção arbitrária em grande parte. Se nos apegarmos aos fatores essenciais, é improvável que alguma vez sejamos enquadrados. 

Especialmente se você não é uma figura pública ou tem uma renda muito alta que o estado não quer perder. Resta saber se isto continuará sendo o caso no futuro.

Se você quiser saber como e para onde emigrar para viver uma vida mais livre, confira nossa Enciclopédia do Emigrante: 51 Países para Viver Livre de Impostos. E, claro, se quiser alavancar sua carreira e arranjar um emprego bem-pago no primeiro mundo, agende uma consultoria de carreira internacional conosco.

Quero saber mais

Não ter um centro de interesses vitais é difícil de imaginar para muitas pessoas. Mas o modelo de viajante perpétuo funciona e está sendo vivido por cada vez mais pessoas. 

Deve ficar claro que isto implica em certas restrições. Abordaremos esses desafios, como por exemplo registrar um carro ou conseguir uma carteira de motorista em artigos futuros da Settee.

Se você quer saber mais sobre como se tornar um viajante perpétuo, não deixe de conferir o nosso Desafio Nômade Digital em 28 Dias. E, se você precisa de ajuda para avaliar sua situação e se assegurar que não será tributado em lugar nenhum, entre em contato ou agende diretamente uma consultoria conosco.

Porque a sua vida te pertence!

Curtiu este artigo? Compartilhe!
Logo da Settee

Settee

Consultoria de Internacionalização

A Settee é uma equipe global de empresários, nômades digitais e consultores especializados em estratégias de internacionalização. Agende já sua chamada introdutória.

Últimos artigos

Ver todos os artigos
Thumbnail do Artigo
26/1/2023

Como Solicitar um Reembolso do IVA

Neste artigo, te apresentamos como solicitar um reembolso do IVA com exemplos práticos, além de expor algumas exceções à regra sobre os processos e passos necessários a serem considerados a fim de recuperar seu IVA.

Ler mais
Thumbnail do Artigo
23/1/2023

Ilha da Madeira: Uma Cidade Livre Portuguesa?

Neste artigo apresentamos a Ilha da Madeira, artigo este, originalmente publicado pela Free Cities Foundation em inglês. O objetivo é discutir com mais detalhes a Ilha da Madeira. Além disso, apresentar o conceito de cidades livres aos leitores.‍

Ler mais