Precisando de um segundo passaporte? 10 países para se naturalizar com rapidez

Ícone de Relógio
8 min
Publicado em:
28/1/2022
Última Atualização em:
25/3/22
BUscar no Blog
Article Background Image
Article Background Image
Article Background Image
Temas Abordados Neste Artigo

A importância de uma segunda cidadania

A aquisição de uma segunda cidadania talvez seja o passo mais importante na teoria das bandeiras para se tornar verdadeiramente livre. Afinal, estar vinculado a um passaporte deixa você completamente exposto aos caprichos de seu governo - o que pode significar tributação global, perda da liberdade de viajar ou até mesmo a perda da liberdade de viver de um dia para o outro.

“Muitos brasileiros e portugueses podem até não entender isso - mas um sírio aproveitaria imediatamente qualquer oportunidade para obter um segundo passaporte ocidental.”

Infelizmente, a aquisição de um segundo passaporte é também a base da teoria das bandeiras que consome mais tempo e/ou dinheiro para a maioria das pessoas. Em Portugal leva cerca de 6 anos para se tornar um cidadão naturalizado. A média no resto da Europa é de uns 5 anos, enquanto no Brasil são 4. 

Quais as opções existentes para a aquisição de um segundo passaporte?

Assim, pode valer a pena pelo menos preparar o passo para outra cidadania. Ao menos algumas pessoas têm sorte com seus antepassados ou acabam se casando por motivos únicos de cidadania, mas no fim das contas, a única opção que lhes acaba restando é adquirir um segundo passaporte por meio de compra, por meio de investimento ou por residência duradoura no país de destino. Aqueles que têm sorte com seus ancestrais ainda têm que suportar 1-2 anos e muita burocracia, enquanto aqueles que querem se casar raramente podem pular o processo de naturalização, mas muitas vezes podem acelerar o processo.

Aqueles que possuem os recursos apropriados podem sempre manter em aberto a opção de compra ou investimento em um programa correspondente. É claro que quanto melhor o país, ou quanto mais simples o processo, mais caros são os trâmites. As cidadanias mais rápidas não exigem a presença no país, mas os custos são proporcionais a isso. Estas cidadania serão reveladas em um artigo futuro. É importante ficar atento a estes programas pois os mesmos podem ser encerrados da noite pro dia e, confiar em uma plano de fuga através da compra pode, portanto, o tiro acabar saindo pela culatra.

A opção mais segura e muito mais barata é obter outra cidadania através da naturalização através da residência permanente. Uma vez passado um determinado limite de residência, que varia de país para país, a naturalização pode ser solicitada a qualquer momento. Embora mudanças legais também sejam possíveis aqui, elas são planejadas para um prazo muito mais longo. Aqueles que ainda não desejam aproveitar a possibilidade de naturalização no momento adequado, podem esperar e aproveitar a oportunidade quando quiserem. Em algum momento, pode ser que seja necessária a aplicação devido às condições no país de origem - ou talvez não.

O melhor de tudo, claro, é que muitas vezes não é necessário ficar no país permanentemente durante muito tempo para obter o status de residente permanente.

Em muitos países você só precisa permanecer durante o primeiro ano da sua aplicação, ao passo que nos anos seguintes você só precisa fazer uma rápida visita que será o suficiente para continuar sendo qualificado como um residente permanente. Contudo, isto aplica-se mais a países onde a naturalização só é possível após 5-7 anos.

10 países onde você pode rapidamente se naturalizar através da residência

Aqui nós não queremos apresentar os países com o mínimo de tempo de permanência possível, e sim aqueles em que você pode potencialmente se tornar um cidadão o mais rápido através da naturalização. Nesse sentido, significa que você deve estar preparado para passar um tempo país. É como milhas de avião: um status mais elevado através de mais milhas também requer que você voe de fato. 

Nos 10 países seguintes é possível iniciar o processo de naturalização puramente através do tempo de residência. Opções baratas de compra ou investimento, que no entanto requerem residência (por exemplo, México ou Colômbia) não estão aqui representadas e serão apresentadas separadamente em outra ocasião.

10. Brasil: 4 anos (ou menos)

Obviamente essa opção não se aplica ao nosso público brasileiro, mas decidimos adicionar o Brasil devido à atratividade do país e à força de seu passaporte, além da possibilidade de obter um passaporte sem gastar muito tempo.

No Brasil, você pode se naturalizar após 4 anos como residente permanente. A ausência máxima permitida durante este período é de 1 ano e meio.

Claro que, se for cidadão de um país de língua portuguesa, pode obter a nacionalidade após apenas um ano de residência. Além disso, se você tem filhos no Brasil ou se seu pai ou mãe são brasileiros, você pode se naturalizar após apenas um ano de residência no Brasil.

Para obter um passaporte, você terá que passar por um teste de língua portuguesa.

9. Panamá: 4 anos (ou menos)

Para quem prefere unir a bandeira da cidadania à da residência pessoal, o Panamá pode ser uma opção ainda melhor, já que este país nos oferece a possibilidade de viver sem pagar impostos, além de obter outro passaporte. Outra vantagem deste país da América Central é que é muito fácil para os cidadãos de países amigos obterem uma autorização de residência, bastando abrir uma empresa com atividade lá.

No Panamá, a cidadania é concedida após 5 anos de residência, período que é encurtado se você tiver um filho nascido lá. No entanto, o mais interessante é que, se você é também cidadão espanhol, poderá ter acesso a um passaporte depois de apenas 2 anos morando no Panamá.

No caso de outras nacionalidades latino-americanas, incluindo a Brasileira, a nacionalidade é adquirida após tantos anos de residência quantos forem exigidos reciprocamente dos panamenhos. Ou seja, no caso de um peruano seriam dois anos,um equatoriano três, um brasileiro quatro, etc.

Como requisito adicional para se naturalizar no país, você deve falar espanhol e fazer um teste de conhecimentos gerais sobre o Panamá.

8. Honduras: 3 anos

Em Honduras, você pode pedir a cidadania após 3 anos de residência, além disso, se você é um cidadão espanhol ou de um país latino-americano de nascimento, esse tempo cai para apenas 2 anos. Para os cidadãos da América Central, a espera é encurtada em mais um ano, reduzindo-apara apenas 1 ano.

Em qualquer um dos casos, você deve provar o conhecimento da língua espanhola.

Uma coisa a ter em mente é que, ao adquirir a cidadania hondurenha, se você não nasceu no país, você deve renunciar à cidadania anterior (os estrangeiros devem renunciar ao passaporte antigo na naturalização e não podem obter uma nova cidadania adicional sem perder a cidadania hondurenha). Por outro lado, se você é cidadão espanhol, existe um acordo entre os países que permite a dupla cidadania nesse caso.

Viver em Honduras tem uma vantagem adicional além de poder obter um passaporte, que é ser um país com tributação territorial, ou seja, sendo residente fiscal lá, você não pagará impostos sobre sua renda estrangeira.

7. Equador: 3 anos

Outra opção interessante para quem deseja obter um passaporte adicional morando em outro país é o Equador. Lá você pode solicitar a cidadania após apenas 3 anos de residência. Como requisito adicional, você terá que saber algo sobre a história nacional e, claro, falar espanhol.

O período máximo que você pode estar ausente do Equador é de 180 dias por ano de residência. Em outras palavras, você terá que morar lá durante 6 meses e 1 semana (185 dias aproximadamente) por ano, durante 3 anos consecutivos, para poder solicitar essa cidadania.

6. Rússia: 3 anos

Essa oportunidade é para empresários de sucesso e trabalhadores autônomos de muito alto rendimento. Se você quer abrir um negócio ou trazê-lo para a Rússia, você pode obter a cidadania russa dentro de 3 anos. A única condição é que você pague uma certa quantia de impostos no país, o que - se você também não for um viajante perpétuo - provavelmente faria de qualquer forma. Com taxas de impostos de 13%, essa pode ser uma proposta que vale a pena se você tivesse considerado a compra de uma  cidadania de qualquer outra forma.

O montante de imposto exigido é de 10 milhões de rublos, o que agora é cada vez mais fácil de alcançar devido à imensa desvalorização da moeda. Se você não quiser (mais) administrar um negócio por conta própria, você pode comprar pelo menos 10% das ações de uma empresa russa que pague o mesmo valor de imposto por ano.

Portanto, você estará pagando impostos para obter uma cidadania, fora isso mais  nada. Graças à eliminação de toda a burocracia, esta oportunidade de atrair empresários e investidores estrangeiros, criada pelo Presidente Medvedev, é uma possibilidade interessante para eles. Os cidadãos russos estão cada vez mais sujeitos a difamações e hostilizações, especialmente no ocidente, mas isso não precisa ser um incômodo para os titulares desse segundo passaporte. Com  107 países sem visto, a Rússia abre amplas portas para a Ásia Central, na qual os cidadãos de quase todos os outros estados precisam de visto.

5. Uruguai: 3 anos

O Uruguai ainda permite a naturalização de famílias após 3 anos de acordo com a lei, mas isso deve ser tratado com cautela. Recentemente, tem havido cada vez mais relatos de imigrantes que querem se naturalizar com base nesta lei, mas que acabam sendo negados, no entanto, isso não se deve necessariamente à arbitrariedade das autoridades, mas sim à interpretação do que constitui residência permanente.

O Uruguai não é um país onde se obtém uma residência permanente e depois se parte novamente. Em vez disso, você deve passar pelo menos 10 meses por ano no país e participar na vida social local. Recomenda-se a posse de propriedade, ser membro de clubes, consultar médicos locais e realizar outras atividades.

A naturalização levará em média 3 anos, desde que você faça parte de alguma família. Como pessoa única ou sendo solteira (o) você terá que esperar 5 anos. Por exemplo, se você é uma mãe solteira com um filho, você será considerada como sendo uma família. A residência permanente é mais difícil de adquirir do que em outros países da América Latina, mas não é um problema se você tiver uma renda mensal de cerca de 1500$ - ou for cidadão de um país do Mercosul, como o Brasil.

4. Paraguai: 3 anos

Um dos países mais fáceis de se obter uma segunda cidadania é o Paraguai. O país é muito aberto à imigração, mesmo para os africanos e pessoas do Oriente Médio com todas suas dificuldades.

Uma autorização de residência permanente é emitida assim que você deposita pelo menos US$ 5.000 em uma conta bancária no Paraguai, o que também já permite dar entrada no processo de naturalização, que pode ser aplicado depois de apenas 3 anos. Outra opção é obter a residência permanente do Mercosul, porém isso requer primeiro 2 anos de residência temporária com o visto do bloco.

O melhor de tudo é que você não precisa sequer morar lá. Algumas semanas de estadia por ano e você ainda se qualifica para a naturalização. Especialmente para os que nunca param de viajar, o Paraguai é um país muito adequado para uma segunda cidadania quase de graça.

Embora o país sul-americano sem litoral seja bastante desconhecido, este não oferece má liberdade de viajar com quase 110 países sem necessidade de visto e um ambiente muito liberal para se viver. Os impostos de renda estão na faixa de 8-10% e as liberdades pessoais são amplas. Para nós da Settee, o Paraguai é um dos países atraentes sobre o qual certamente falaremos mais vezes.

3. Peru: 2 anos

No caso do Peru, você consegue um passaporte ainda mais rápido, após apenas 2 anos morando lá. Um ponto a se considerar é que, para se tornar um cidadão peruano, você deve praticar qualquer profissão, comércio, arte ou negócio no Peru. Ou seja, você terá que pagar alguns impostos lá e registrar todas as suas movimentações.

Também neste caso, você tem um período máximo de ausência de 6 meses por ano. Ou seja, na prática, você só precisa passar um total de 12 meses ao longo de 2 anos lá para poder solicitar um passaporte peruano.

2. República Dominicana: 2 anos

A República Dominicana não deve de forma alguma ser confundida com o estado da Dominica, que também está no Caribe. Enquanto a Dominica é um dos países mais atraentes e baratos para adquirir uma segunda cidadania por investimento, na República Dominicana você pode se tornar um cidadão naturalizado após apenas 2 anos de residência. Se você quiser investir de acordo, tudo isso pode acontecer ainda mais rápido.

Infelizmente, o país perdeu toda sua credibilidade, especialmente devido a passaportes falsificados e passaportes oferecidos ilegalmente para venda, o que não beneficia exatamente a qualidade do passaporte. Não há, portanto, muitos países sem visto para os residentes da República Dominicana – apenas 68.

1. Argentina: 2 anos

Vizinho do Paraguai, a extensa Argentina, seria de fato uma grande escolha. A cidadania por naturalização pode ser obtida após apenas 2 anos, enquanto o passaporte com mais de 137 países sem visto não é inferior ao de muitos países europeus. Infelizmente, a Argentina só é governada por malucos que afundaram completamente o país que um dia já foi um dos mais ricos do mundo - com  controles de capital, tabelamento de preços e afins.

No entanto, a única condição para obter a cidadania após 2 anos é residir ali permanentemente, o que pode ser extremamente fácil para aqueles que possuem uma renda estrangeira devido aos preços favoráveis associados à situação econômica do país. O país é grande e diversificado o suficiente para passar o tempo mesmo com viagens mais lentas. Você deve estar presente no país durante pelo menos 6 meses seguidos por ano - idealmente ainda mais. A naturalização funciona normalmente sem problemas, mas é muito burocrática. A Argentina é um país de imigração clássico - e frequentemente naturaliza mesmo os imigrantes ilegais após um certo período de tempo.

Rápido = bom?

“Há muitas oportunidades para uma segunda cidadania. Se você pode se imaginar passando algum tempo no país de destino, você pode obter um segundo passaporte de forma rápida e barata nos países mencionados.”

Por outro lado, se a cidadania em questão vale a pena, é outra questão. O que é mais fácil de obter não é necessariamente o melhor. Isso irá depender da sua situação, que inevitavelmente envolverá preferências pessoais e subjetivas.

Se você quiser aprender tudo sobre segundas cidadanias e conhecer as opções em detalhes, você pode agendar uma consultoria ou ler a nossa Enciclopédia de Segundas Cidadanias.

Na Settee, nossos parceiros também podem ajudá-lo no processo de obtenção de segundas cidadanias por investimento ou naturalização, portanto sinta-se à vontade para entrar em contato conosco se desejar nossa ajuda.

Porque a sua vida te pertence!

Logo da Settee

Settee

Consultoria de Internacionalização

A Settee é uma equipe internacional de empresários, nômades digitais e consultores especializados em estratégias de internacionalização.

Article headline